Conto: Jabuticabeira

Uma delícia. Saborosa. Doce. Um cheirinho de deixar qualquer um com água na boca. Foi a primeira fruta do pé de jabuticaba que produziu pela primeira vez. Fazia quinze anos que meu avô a plantara. Coincidência ou não, há quinze anos eu nasci.
            Essa fruta foi presente de meu avô. Ele a trouxe à mão. Mão calejada de uma vida dedicada aos trabalhos da roça. De uma humildade que só quem o conhece a compreende.
            Com a mão esquerda pegou à minha direita, com a outra, deixou rolar a jabuticaba suavemente – mesmo com calos que dedos me faltam para contar – na minha mão.
            – “É fruto de quinze anos de cuidado”.
            Uma frase que resumiu tudo. Que fazia pensar.
            Aquilo não era apenas uma jabuticaba. Trazia ensinamentos. Sim, olhos molhados eram os meus. Um simbolismo a faltar ciência para explicar.
            Toda família reunida disfarçava, por força da timidez, algumas lágrimas que corriam pelo rosto marcado pela alegria do encontro familiar.
            Nem medo, nem egoísmo. Mas desapego. Meu avô dedicara anos de cuidado, paciência e carinho para com aquela jabuticabeira que parecia não querer frutificar. Mas, no tempo certo, floriu pela primeira vez e deu frutos.
            Uma voz do fundo da sala veio como que cortar o silêncio:
            – Todo esse tempo você esperou ela dar fruto vô!?
            Sabedoria. Esta que só as pessoas com humildade e experiência de vida podem ter, respondeu:
            – Se eu tivesse medo de esperar e ficasse desacreditado que ela pudesse florir e dar frutos, talvez não tivesse esta fruta para saborear. Tudo e todos têm seu tempo de florir, de dar furtos. Oxalá descobrissem isso quando jovens.
(conto escrito a partir de uma reflexão de um quadro-mural, que falava sobre jabuticabas. A imagem é meramente ilustrativa, do google)

Carta de Dias das Mães

Hoje, domingo, dia 08 de maio de 2011, eu queria estar com minha mãe… lá em Santa Catarina.

Queria dar um abraço.
Um beijo.
E dizer “eu te amo”.

Sim mãe, EU TE AMO porque deu a vida para este seu filho.
É a luz e a união da nossa família.
É amor.
É paz.
É vida.
Vida gerada em teu ventre.

Lembrei de uma música, que tem uma letra linda para homenagear as mães.
Com meus amigos no colegial, 6ª série (se não me engano) apresentamos ela às mães na Igreja.
É de um cantor que quando pequeno ouvia lá na porta de casa, enquanto você cantava fazendo os trabalhos de dona de casa.

A música é Mãe, com Amado Batista. Lembra da Letra?

Mãe, tu és a conselheira dos meus passos.
A mais digna mulher dos meus abraços.
A dona do mais puro beijo meu.
Mãe, tu és o meu prazer na vida ou morte,
Pois me ensinaste a ter um braço forte,
E a construir a imagem do meu eu.
Mãe, tu tens em tuas mãos toda virtude.
Pois entregaste a tua juventude,
Pelo prazer de ter nome de mãe.
E eu, usei todas as palavras que disponho,
Mas na maior frase que a ti componho,
Existe algo ainda por dizer.
Mãe, tu és para a poesia uma meta.
A musa inspiradora de um poeta,
Que descobriu a fonte do amor.
Mãe, em ti eu vejo tudo que há em mim,
Por isso eu te digo que és enfim,
A imagem mais perfeita do que sou.
Mãe tu tens em tuas mãos uma virtude.
Pois entregaste a tua juventude,
Pelo prazer de ter nome de mãe.
E eu, usei todas as palavras que disponho,
Mas na maior frase que a ti componho.
Existe algo ainda por dizer

Depois dessa letra, só poderia deixar a canção de seu eterno e amado ídolo, o Rei Roberto Carlos: Lady Laura.

Feliz Dias das Mães, mãe.

Audiodescrição: um sonho possível

Iniciativa louvável!

Sempre há uma razão para viver

E a sua, qual é?!

Horas rápidas & Horas lentas

Já?
Já acabou o dia?
Algumas vezes quando nos damos conta o dia acabou.
Faltam horas.
Faltam minutos.
Não sobram nem segundos!
Parece que tudo corre, todos correm.
E o tempo não fica para trás, quer dizer, nos deixa para trás.
Porém, alguns momentos do dia o tempo pára!
Stop!!!
Sim, incrível não?
Reclamamos da falta de tempo:
“se tivesse uma hora a mais o dia eu daria conta”…
Pois bem, veja só como o tempo demora a passar quando mais queremos que ele corra:
  • dentro do elevador – em dobro de demora se você tiver apertado pra usar o banheiro;
  • para receber um aumento;
  • na presença de uma pessoa chata, sabe aquele chato da empresa? Com ele(a) o tempo não passa;
  • no consultório do dentista, aguardando ser chamado;
  • momentos embaraçosos: uma frase mal colocada, uma mulher encantadora, a pessoa especial…;
  • 11h47 à espera de sair pro almoço e não conseguir encerrar o trabalho;
  • 16h45 à sexta-feira;
  • segunda-feira no trabalho. Qualquer horário!;
  • Na fila do banco;

As maravilhas do mundo e da vida

Imagens, som, mundo, viagem, paz… tudo e nada.

Evangelho segundo o twitter

Aos amigos loucos pela nova tecnologia e conectados ao mundo das redes sociais e micro blogs… esse vídeo é ótimo.
Criatividade, fé e emoção