Os 12 passos para organizar um evento católico de sucesso

A partir da experiência em trabalhos de Assessoria de Imprensa e organização de eventos católicos, gostaria de sugerir uma lista com 12 passos sobre como realizar seu evento católico sem perder a calma, o humor e a fé! E, de quebra, alcançar o sucesso!

12 passos para organizar eventos católicos de sucessoDesde a sua eleição, o Papa Francisco tem sido um exemplo da íntima ligação entre palavra e gesto, discurso e ação, anúncio e testemunho, reflexão e prática. O Papa Francisco nos ensina muito sobre a “Cultura do Encontro”, que deve ser refletida nos eventos católicos planejados por você, sua comunidade, paróquia ou organismo pastoral.

Bom, chega de papo…

Vamos, então, aos 12 passos que elaborei para contribuir e te inspirar a organizar eventos católicos, sem medo de perder o humor e a fé ao longo do caminho.

Boa sorte!

  1. Estabeleça os objetivos – A dica parece óbvia, mas muitos organizadores – Pastorais, Igrejas, comunicadores, pessoas em geral – têm uma visão equivocada quanto às expectativas sobre os eventos. É importante estabelecer os objetivos do evento. O que queremos com este evento? Alcançar público? Divulgar uma ideia? Assinantes pra revista paroquial? A Pizza da Paróquia? Evangelizar? Um show? Cada um destes eventos terá um objetivo diferenciado. Não se esqueçam de pontuar estes objetivos. Eles irão nortear seu trabalho.
  2. Planejamento – o planejamento eficiente dirá se seu evento alcançará o sucesso ou o fracasso. Para obter o retorno desejado é preciso traçar um plano de ações detalhado. Defina as tarefas, desde o início do desenvolvimento do projeto até o período após o evento – momento muito importante também, avaliar os resultados. Tudo precisa estar alinhado: a base de dados dos convidados, a agenda, a localização, o conteúdo e as formas de divulgação do evento – essas formas incluem TUDO que for possível: flyer, cartaz, banner, redes sociais, rádios, TVs… mas vamos dedicar um ponto específico para esta divulgação, portanto falaremos mais sobre isso.
  3. Pessoas – É preciso: “Entender de pessoas. Enxergá-las do começo ao fim”. Esse é um dos principais focos para o bom planejamento e a organização de eventos. Afinal, é para pessoas que tudo é pensado. E neste caso devemos pensar em católicos e não. O bom resultado vai ser o envolvimento e engajamento destas pessoas. O resultado, a boa aceitação, os bons resultados vêm de pessoas e para pessoas, sejam elas da paróquia, da cidade ou do Estado.  Por essa razão, a sensibilidade e a percepção se tornam fortes aliadas no momento do planejamento. Ponto a ponto. Não importa o tamanho do evento, seja ele um encontro da pastoral da sua Igreja ou um show de celebração de aniversário de sua Diocese. Valorize as pessoas! Faça elas se sentirem parte do evento, que vistam também a camisa.
  4. Criatividade – esta é primordial para o sucesso do evento. Em meio a um turbilhão de opções, recursos, ferramentas, possibilidades, um dos maiores desafios é a criatividade. Mas diante de um mundo globalizado, informatizado, que se atualiza quase que diariamente, é preciso ter cuidado com a escolha dos recursos disponíveis e, sobretudo, ter cuidado para não perder o foco. O deslumbre pode ofuscar o propósito. Pense nisso! Compartilhe ideias, faça um breaming storm, pense de forma criativa sobre tudo: o nome do evento, as artes para divulgação, o local, o ambiente…
  5. Comprometimento – todo trabalho em equipe dá bons resultados. É fato. Claro, se houver comprometimento da equipe. Esse comprometimento poderá fazer com que tudo saia conforme planejado. Equipe comprometida trabalha em sintonia, ruma para o mesmo fim e chega lá. Comprometer-se gera a pró-atividade. Antecipar-se aos problemas, ou resolvê-los de imediato, faz toda diferença em eventos. Durante a montagem de um stand, por exemplo, é comum surgirem problemas. É em momentos assim que se pode verificar tal comprometimento. Deixar acontecer, não tomar a atitude correta para corrigir eventuais tropeços, é um contrassenso. Comprometa-se. Não deixe de agir em qualquer imprevisto.
  6. Profissionalismo – Quesito indiscutível e indispensável em todo o processo. Manter o foco, a criatividade, ser pró-ativo são atitudes diretamente ligadas ao profissionalismo.  Todos devem ser profissionais sérios, dedicados, focados, criativos. Os voluntários são sempre bem vindos, mas precisam estar bem orientados para que possam executar suas tarefas de acordo com o objetivo proposto.
  7. Prazos – Se para tudo na vida é preciso ter foco e planejamento, no universo dos eventos, a necessidade vira regra e não pode falhar. Dos maiores aos mais simples detalhes, planejar é garantir que tudo dará certo. Por isso temos três pontos correlacionados: planejamento, prazos e o próximo ponto: cronograma.
  8. Cronograma – estabeleça um bom cronograma. Com o planejamento e os prazos elaborados, o cronograma vai ficar completo. Tenha um cronograma geral do evento e um para os diferentes setores envolvidos, por exemplo: artes gráficas, redes sociais, a parte de alimentação, convites… tudo! Organize no cronograma as atividades e os prazos para execução e, claro: quem executará. De nome ao dono dos cachorros.
  9. Assessoria de Imprensa – Essencial para o sucesso do evento! É necessário relacionar-se com a mídia da região onde o evento será organizado, seja ela TV, Rádio, jornal, revistas, sites ou blogs… Muitas vezes não conhecemos ou não nos damos conta do poder dos veículos de comunicação que estão próximos – a rádio da Arquidiocese, o Jornal do bairro ou paroquial, o blogueiro da comunidade… são mídias em que você pode oferecer conteúdo relacionado ao seu evento. Quanto mais, melhor! Quanto mais pessoas falando sobre seu evento, muito melhor! Esse vai ser o papel do Assessor do evento: relacionar-se com a mídia; criar releases, notícias e fotos; contatar os jornalistas; e, se necessário, treinar os organizadores do evento para dar entrevistas. Afinal, é sempre bom saber o que falar na hora cera, não é?!
  10. Redes sociais – Hoje existe um turbilhão de recursos para trabalharmos a divulgação do evento, aproximarmos o público do evento, da nossa mensagem. Não saia igual doido criando perfil em todas as redes sociais. Avalie, estude aquelas que sua equipe tem condições de manter atualizadas com bom conteúdo. Aproveite as redes sociais para atingir o maior público possível. Então twitte, compartilhe no facebook, poste no instagran, crie uma promoção no Foursquare… Os memes e a atualização do evento podem gerar público, mensagens, seguidores e tudo mais. Lembrando que, segundo pesquisas, mais de 1 bilhão de pessoas, cerca de 70% dos usuários de internet usam redes sociais e, no Brasil, 86% são membros de pelo menos uma rede social. E, ainda, o ambiente online oferece boa disseminação de informações a um custo relativamente mais baixo. Isso significa o quê? Vamos aproveitar!!! Bora pras redes sociais criar páginas no facebook, perfis no twitter e divulgar nosso evento.
  11. Multiplicadores – Não é um termo muito utilizado nos eventos, mas eu gostaria que fosse levada em consideração por vocês. Você terá seu grupo responsável pelo evento: profissional, comprometido, engajado nos prazos do cronograma. Mas poderá ter pessoas que te auxiliem de outras formas no evento: fomentando as redes sociais – curtindo, compartilhando ou comentando; entre jornalistas – aqueles que apoiam o evento, sua ideia ou o tema; voluntários – que estejam dispostos a dar uma “mãozinha” no evento; pessoas de renome – que queiram associar seu nome ao evento -; lideres comunitários ou de pastorais – que divulgarão entre seus grupos na Igrea… enfim, esses multiplicadores vão ajudar a tornar seu evento um sucesso.
  12. Acolhida – Receber bem, de preferência com sorrisos. Quando somos bem acolhidos na casa de um amigo, nós voltamos. Por isso, a mensagem é simples: acolha bem. Faça com que as pessoas sintam-se bem na sua casa. Tenham conforto. Sintam-se felizes. Sintam-se parte deste grande evento. Repito: seja o bingo da paróquia, um show de comemoração dos 50 anos de sua Diocese ou a nomeação do Papa. Acolha bem, faz parte da Cultura do Encontro.

 

Então, estes são os 12 passos para organizar um evento católico de sucesso.

  • Estabeleça os Objetivos
  • Planejamento
  • Pessoas
  • Criatividade
  • Comportamento
  • Profissionalismo
  • Prazos
  • Cronograma
  • Assessoria de Imprensa
  • Redes Sociais
  • Multiplicadores
  • Acolhida

A palestra completa – em vídeo – com os 12 passos e uma reflexão sobre a Cultura do Encontro estão disponíveis no Conacat.

Anúncios

CONACAT – Como fazer um Mega Evento Católico

fabiano fachini - jornalista e assessor de imprensaO 1º Congresso Nacional Católicos Online está sendo realizado entre os dias 11 e 17 de agosto. Tudo ONLINE!

O tema que vou apresentar será sobre:

 “Mega eventos: Como realizar seu evento católico sem perder a calma, o humor e a fé!”

A palestra será nesta quinta-feira, dia 14 de agosto, às 15h00.
Vou apresentar o tema dividido em três momentos distintos, mas sempre integrados pela temática da “Cultura do Encontro”:

  • Papa Francisco e a Cultura do Encontro
  • Os 12 passos para organizar um evento de sucesso
  • Case: Troféu Louvemos o Senhor

Cada um destes momentos da palestra vai ressaltar e apontar medidas, ideias e sugestões para a organização de um evento. Fiquem atentos, em breve publicarei neste blog OS 12 PASSOS PARA ORGANIZAR UM EVENTO CATÓLICO DE SUCESSO.

Para acompanhar, basta acessar o site http://catolicoemrede.com.br/programacao/.

Toda palestra tem como objetivo ajudar os entusiastas da comunicação e da organização de eventos a alcançarem o sucesso. Claro, sempre tendo em vista a missão de evangelizadores dos católicos e também de promotores da Cultura do Encontro.

Boa palestra para todos nós!

palestra fabiano fachini - conacat

 Obs: artigos e informações da palestra serão publicados a partir do dia 19 de agosto AQUI no blog FalaGuri.

O beijo do Papa Francisco

Papa-Francisco-por-Felipe-Rodrigues

Ternura, carinho, dedicação, amor.

Doce. Jovem. Amigo. Carinhoso. Bom!

Já se passaram alguns dias… mas os beijos do Papa Francisco não foram esquecidos. As crianças foram “abençoadas”, como disseram os pais; os fiéis presentes na Jornada Mundial da Juventude Rio2013 foram tocados pelo exemplo do Papa; os telespectadores, ouvintes, internautas… todos “atingidos” pelo testemunho de Francisco.

Um beijo (do latim basium) pode dizer muito.

E disse!

Um beijo entre amigos. Namorados. Noivos. Pai e mãe. Pais e filhos… e o beijo do Papa.

Durante os trajetos de papamóvel, o pontífice beijava e abençoava os pequenos. Foram dez crianças beijadas apenas na primeira hora em que Francisco esteve no Brasil.

“Vinde a mim as criancinhas”!

Cada menino e menina abençoados pelo amor de pai; carinho de irmão; fé e oração de homem santo.

E a “afetividade”… palavra associada à figura do papa? Nem sempre. Mas desta vez foi diferente – e isso nos faz ter, após quatro meses do início da JMJ Rio, dia 23 de julho – as imagens de um papa simples, carinhoso, alegre e humano recentes na memória. Atuais como sua mensagem na Missa de Envio: “Ide, sem medo, para servir”.

E como não se lembrar de Nathan?

O jovem Nathan de Brito, de 9 anos, recebeu o carinho do Papa Francisco. O pontífice seguia de papamóvel da Quinta da Boa Vista para o Palácio São Joaquim, sede da Arquidiocese do Rio, quando o jovem morador de Cabo Frio, na Região dos Lagos, se aproximou da grade que separava os fiéis da pista.

O pai Aguinor Brito pegou o filho e o entregou a um segurança, que o levou até o Santo Padre. “Santidade, quero ser sacerdote de Cristo, um representante de Cristo”, disse o jovem em lágrimas.

O Papa se emocionou com as palavras de Nathan e respondeu. “Vou rezar por você, mas peço que também reze por mim. A partir de hoje sua vocação está concretizada”, falou o pontífice que recebeu um beijo e um abraço do menino.

Muitas histórias… muitas lembranças de uma jornada que marcou o coração dos jovens e de todos os fieis católicos que participaram da Jornada Mundial da Juventude.

No entanto, fica a pergunta no ar:

O beijo do Papa tem diferença para o beijo de uma pessoa comum?

Por Fabiano Fachini, Jornalista.

Foto: Felipe Rodrigues.

Publicado em Jovens Conectados e Zenit.

JMJ toma conta dos noticiários brasileiros

Artigo publicado na Agência Zenit em 27 de março de 2013 (LINK)
Autor: Fabiano Fachini, jornalista
Com a renúncia do Papa Bento XVI, no dia 11 de fevereiro, a Jornada Mundial da Juventude tornou-se pauta diária dos veículos de comunicação brasileiros. O Rio de Janeiro, especificadamente, como cidade sede da Jornada, tem estampado as páginas dos jornais, tomado às manchetes televisivas e as reportagens radiofônicas. Claro, não nos esqueçamos dos portais, sites e blogs.
Restrita aos veículos católicos de comunicação, a não ser em grandes eventos assessorados pelo Arcebispo do Rio de Janeiro, Dom Orani João Tempesta, ou suas visitas a Roma, a JMJ era pouco citada na grande imprensa “oficial”.
Hoje, com a renúncia de Bento XVI e com o novo Papa Francisco, a JMJ deixou de ser exclusividade diária das agências de notícias católicas. Impelidos pela audiência – afinal são mais de 100 milhões de católicos brasileiros –, a “santa pauta do dia” está à disposição dos jornais, revistas, TVs, Rádios e Portais.
No entanto, é importante ressaltar que a JMJ por si só não teria tanto espaço na mídia, a não ser nos dias do evento, pelos milhares de jovens acomodados na cidade maravilhosa. Então, porque deste repentino interesse pela juventude católica, pelo Rio de Janeiro?
Acontece que esta será a primeira visita do novo Papa Francisco fora do Vaticano. Nós, os brasileiros, desta vez, de qualquer modo, os privilegiados. E, assim, o Brasil será notícia em todo o mundo, seja pela Jornada ou pela visita do Papa.
“Esta será uma jornada de dois Papas, um que estará em oração pelo encontro e outro que presidirá as celebrações”, destacou Dom Orani durante o programa online “Conexão Rio”.
É a curiosidade pelo novo e inusitado que a renúncia do Papa causou que atrai, até mesmo, olhares daqueles desatentos católicos e de outras denominações religiosas – e de toda mídia.
A Arquidiocese do Rio foi direto ao ponto: “A JMJ Rio2013 acolherá o novo Papa da Igreja Católica, somos a juventude do Papa”, informou pelo twitter.
Informação, acolhida e, claro, esperteza dos comunicadores. A partir de então, a JMJ foi citada nos jornais sob o aspecto de espanto: “Papa renuncia. Mas ‘fiquem tranquilos’, porque a Jornada está mantida, e com a garantia da visita do novo Papa!”.
Claro que sim! E melhor, com direito a novas pautas além dos atos centrais da JMJ, da agenda do Papa e dos milhões de jovens que tomarão as ruas da cidade maravilhosa: seremos o primeiro país, possivelmente, a receber o novo Papa.
Vale destacar que três foram as Jornadas Mundiais da Juventude das quais o Papa Bento XVI esteve presente. A primeira ocorreu meses depois de iniciar seu Pontificado, em 2005, em Colônia, Alemanha, com o lema “Viemos adorar-lhe”. Em julho de 2008, acompanhou os jovens na JMJ celebrada em Sydney, Austrália, com o lema “Recebereis a força do Espírito Santo e sereis meus testemunhos”; e a JMJ de Madri celebrada em agosto de 2011, com o lema “Arraigados e edificados em Cristo, firmes na fé”.
Na agenda estava programada a visita ao Rio de Janeiro, para julho próximo, mas Bento XVI não virá. No entanto, escreveu e inspirou os jovens a participarem e testemunharem a fé nesta XXVII Jornada, um marco na evangelização da juventude.
Claro que esta pauta deverá ser suscitada pelos veículos de comunicação católicos, para que não fiquemos apenas com o “oba oba” das festividades. Acima de tudo, um evento que busca conscientizar os jovens de seu papel transformador na sociedade.
Foram vários os textos destinados aos brasileiros. Entre eles, Bento XVI saudou os membros do Comitê Organizador Local da JMJ do Brasil presentes na Praça de São Pedro, entre estes o prefeito do Rio, Eduardo Paes, o governador do Estado, Sérgio Cabral, e o Arcebispo, Dom Orani Tempesta. “Nestes tempos de preparação, tentem viver segundo o convite que hoje fiz a vocês: ‘Estejam sempre alegres’. Deste modo, o espírito alegre e acolhedor que é natural dos brasileiros se unirá à alegria que nasce da união com Cristo, o único Redentor”, disse o Bento XVI, em português, em abril de 2012.
“Assim, será possível de braços abertos, como a estátua do Cristo (Redentor) que domina a paisagem carioca, receber os jovens que virão de todas as partes do mundo para sua cidade”, acrescentou Bento XVI.
O Papa que foi saudado como “apóstolo da Juventude” deixa saudades. “Esta é a juventude do Papa”, cantam em coro os jovens que ainda mantém no coração a experiência de rezar com o Papa Bento XVI nas três últimas Jornadas Mundiais da Juventude.
Entre as mensagens que dirigiu Bento XVI nas Jornadas Mundiais da Juventude, uma das que mais marcou os jovens foi o chamado a ser “testemunhos da verdadeira alegria”.
“Queridos amigos, quero encorajá-los a serem missionários da alegria. Não se pode ser feliz se os demais não são. Por isso, temos que compartilhar a alegria. Ide contar aos demais jovens vossa alegria de haver encontrado aquele tesouro precioso que é Jesus mesmo. Não podemos conservar para nós a alegria da fé; para que esta possa permanecer em nós, temos que transmiti-la. São João afirma: ‘Isso que temos visto e ouvido os anunciamos, para que estejas em comunhão conosco… Os escrevemos isto, para que nosso gozo seja completo’”, afirmou Bento XVI em uma mensagem que dirigiu aos jovens no Vaticano, em março de 2012.
É sob este aspecto que se deve pensar. Permitir-se ir um pouco além do trivial.
A mensagem do Papa foi dirigida aos jovens de todo o mundo, mas “assume uma particular relevância para vocês, queridos jovens da América Latina”, enfatizou Bento XVI. “Os jovens desse continente representam um potencial importante e valioso para a Igreja e a sociedade”, afirmou Bento XVI.
“Agora que a Jornada Mundial da Juventude vai à América Latina, exorto a todos os jovens do continente: transmitam a seus contemporâneos do mundo inteiro o entusiasmo de sua fé. Que a Virgem Maria, Estrela da Nova Evangelização, evocada também com os nomes de Nossa Senhora de Aparecida e Nossa Senhora de Guadalupe, os acompanhe em sua missão de testemunhas do amor de Deus”, concluiu Bento XVI.
Vivendo o Ano da Fé, inseridos na Campanha da Fraternidade e inspirados na concretização da Jornada Mundial da Juventude no Brasil, é o momento, também, da Igreja assumir o papel de agente da evangelização, para fazer do jovem um ser capaz de testemunhar, transbordar seu amor pelo próximo. Assumir o jovem como agente máximo da mudança social pelo exemplo, testemunho e alegria.
Na mensagem de Bento XVI para o início da Campanha da Fraternidade deste ano de 2013, destacou: “Diante de nós se abre o caminho da Quaresma, permeado de oração, penitência e caridade, que nos prepara para vivenciar e participar mais profundamente na paixão, morte e ressurreição de Jesus Cristo. No Brasil, esta preparação tem encontrado um válido apoio e estímulo na Campanha da Fraternidade, que este ano chega à sua quinquagésima realização e se reveste já das tonalidades espirituais da XXVII Jornada Mundial da Juventude no Rio de Janeiro em julho próximo: daí o seu tema ‘Fraternidade e Juventude’, proposto pela Conferência Episcopal Nacional com a esperança de ver multiplicada nos jovens de hoje a mesma resposta que dera a Deus o profeta Isaías: ‘Eis-me aqui, envia-me!’(6,8)”.
É um vasto mundo de informações e possibilidades. Que seja feito um bom proveito dessa oportunidade – das portas abertas para o “mundo católico” no meio secular. Que os católicos, comunicadores ou não, saibam trabalhar, disponibilizar pautas criativas e personagens agentes dessa tão esperada “transformação” e, assim, mostrem o real sentido da Jornada Mundial da Juventude com o novo Papa Francisco.