Tarde chuvosa, amor

20131123-152549.jpgSábado.

Chove e faz frio.

Pouco frio, mas é aquele friozinho gostoso de sentir. Endredon, filme, pipoca e alguém para deitar junto é a pedida certa.

Não mais nem menos.

Talvez um livro para viajar, mergulhar em diferentes cenários, histórias, mundos.
Talvez uma boa música até o amor chegar.
Talvez um vinho para celebrar (tinto, por favor).

Saudades. Memórias. Lembranças. TEMPO.

Palavras nem sempre são ordens ou seguem ordens.

Aleatórias.

Histórias. Memórias. Vitórias. Glorias. Paranoias.

Vontade de rimar algumas palavras.

O sol se vai. Está escurecendo. Hoje ele ficou tímido, atrás de nuvens e pensamentos de saudades.

Hora de deitar.

O sol se pôs
A chuva aumentou
A noite ficou fria
… E o amor não chegou.

Nem sempre é final feliz.
As vezes tem dia de sol, outros de chuva.

Anúncios

O beijo do Papa Francisco

Papa-Francisco-por-Felipe-Rodrigues

Ternura, carinho, dedicação, amor.

Doce. Jovem. Amigo. Carinhoso. Bom!

Já se passaram alguns dias… mas os beijos do Papa Francisco não foram esquecidos. As crianças foram “abençoadas”, como disseram os pais; os fiéis presentes na Jornada Mundial da Juventude Rio2013 foram tocados pelo exemplo do Papa; os telespectadores, ouvintes, internautas… todos “atingidos” pelo testemunho de Francisco.

Um beijo (do latim basium) pode dizer muito.

E disse!

Um beijo entre amigos. Namorados. Noivos. Pai e mãe. Pais e filhos… e o beijo do Papa.

Durante os trajetos de papamóvel, o pontífice beijava e abençoava os pequenos. Foram dez crianças beijadas apenas na primeira hora em que Francisco esteve no Brasil.

“Vinde a mim as criancinhas”!

Cada menino e menina abençoados pelo amor de pai; carinho de irmão; fé e oração de homem santo.

E a “afetividade”… palavra associada à figura do papa? Nem sempre. Mas desta vez foi diferente – e isso nos faz ter, após quatro meses do início da JMJ Rio, dia 23 de julho – as imagens de um papa simples, carinhoso, alegre e humano recentes na memória. Atuais como sua mensagem na Missa de Envio: “Ide, sem medo, para servir”.

E como não se lembrar de Nathan?

O jovem Nathan de Brito, de 9 anos, recebeu o carinho do Papa Francisco. O pontífice seguia de papamóvel da Quinta da Boa Vista para o Palácio São Joaquim, sede da Arquidiocese do Rio, quando o jovem morador de Cabo Frio, na Região dos Lagos, se aproximou da grade que separava os fiéis da pista.

O pai Aguinor Brito pegou o filho e o entregou a um segurança, que o levou até o Santo Padre. “Santidade, quero ser sacerdote de Cristo, um representante de Cristo”, disse o jovem em lágrimas.

O Papa se emocionou com as palavras de Nathan e respondeu. “Vou rezar por você, mas peço que também reze por mim. A partir de hoje sua vocação está concretizada”, falou o pontífice que recebeu um beijo e um abraço do menino.

Muitas histórias… muitas lembranças de uma jornada que marcou o coração dos jovens e de todos os fieis católicos que participaram da Jornada Mundial da Juventude.

No entanto, fica a pergunta no ar:

O beijo do Papa tem diferença para o beijo de uma pessoa comum?

Por Fabiano Fachini, Jornalista.

Foto: Felipe Rodrigues.

Publicado em Jovens Conectados e Zenit.

“Capitão Phillips”: esse você DEVE assistir!

Tom Hanks: esse é o cara!
Começo dizendo que este é um daqueles filmes que você entra no cinema para fechar uma tarde de domingo. Sim, pode ser um bom filme… mas você não espera ser surpreendido.
Eu não entro mais no cinema esperando ser surpreendido: muitas poucas vezes isso acontece – poucas mesmo!
 
Quando, sem mais nem menos, Tom Hanks dá um show de atuação. Sim, no final emoção à flor da pele. Pode levar um lenço para a sala de cinema.
 
Na trama, Richard Phillips (Tom Hanks) é um comandante naval experiente, que aceita trabalhar com uma nova equipe na missão de entregar mercadorias e alimentos para o povo somaliano.
Porém, no início do trajeto, ele percebe que oito piratas somalianos, divididos em dois barcos, invadem o cargueiro e exigem dinheiro.
Quando o comandante pensa ter conseguido negociar com os piratas, Phillips é levado como refém em um pequeno bote.
 
Assim, começa uma longa e tensa negociação entre os sequestradores e os serviços especiais americanos, para tentar salvar o capitão.
 
Obs: Claro que os somalianos são um povo sofrido e o “herói” americano vence. Mas a trama é bem conduzida, e a emoção no final do filme é ótima! Desespero. Medo. Dor. Força. Vitória. Fraqueza. Derrota.
Ficha:
Direção: Paul Greengrass (O Ultimato Bourne)

Roteiro: Billy Ray (Jogos Vorazes)Elenco: Tom Hanks, Catherine Keener, Max Martini, Christopher Stadulis, John Magaro, Yul Vazquez, Michael Chernus e Corey Johnson.